quinta-feira, setembro 20, 2012

Tenho a letra feia! Sera que tenho disgrafia.


Disgrafia



Letra Feia é Desleixo?


1) Letra feia é Desleixo?
Absolutamente. A letra, como qualquer expressão gráfica, projeta o estado físico e psíquico do indivíduo.

2) Como conceitua a DISGRAFIA?
É o distúrbio da palavra escrita que se caracteriza por uma leve incoordenação motora, apresentando a mesma letra com movimentos diferentes.
Quando a letra, na palavra, se apresenta com o mesmo movimento, mas a escrita é confusa e ilegível, as vezes, devemos observar o lado psicológico do paciente. Isto é muito importante ser observado, porque só podemos trabalhar com o acompanhamento psicológico.

3) Quando encontramos crianças com letra feia, os pais perguntam se devem usar os antigos cadernos de cadernos caligrafia? Funcionam?
Estes cadernos só devem ser usados após o tratamento da Disgrafia, quando o benefício deles será apenas para apresentar as letras no seu tamanho e altura certos.

4) Quais os exames necessários para a pesquisa das causas da Disgrafia?
Os mesmos indicados para Dislexia Dislálica, para a Pré-Dislexia e para Dislexia. A Disgrafia de uma maneira geral acompanha a dificuldade de ler e escrever.
Relembrando, os exames são: clínico geral, oftalmológico, audiológico com audiometria e o eletroencelalográfico (de rotina).

5) Segundo seu livro sobre DISGRAFIA crianças e adultos com letras ilegíveis devem trabalhar todos os movimentos desde os grandes músculos aos movimentos de pinça. Poderia explicar melhor?
Nosso corpo funciona como uma balança cujo fiel é a cabeça, que deve estar sempre ereta em relação aos dois lados dele: esta é a postura correta que devemos ter. Caso não a tenha, procurar tê-la.
Quando examinamos um disgráfico, a primeira avaliação a fazer é verificar sua postura nas diversas situações: andando, correndo, sentando, levantando-se e etc...
Eis porque precisamos, para dar uma coordenação motora, trabalhar do centro do corpo para as extremidades: grandes músculos, pequenos músculos indo até ao movimento pinçar; pois o lápis/caneta deve ser segurado com os dois dedos (Polegar e Indicador) e apoiado no dedo Médio, permitindo desta maneira o balanço dos três dedos.
Só assim não haverá sobrecarga no punho ou no ante-braço ou no braço, podendo dar dores nestes segmentos indo até os ombros.

6) Quais as causas mais freqüentes da DISGRAFIA?
As causas podem ser várias: neurológica, psicológica, oftalmológica e /ou audiológica.
O problema acarretado por estas causas é sempre a dificuldade de coordenar a letra para a Escrita-Disgrafia.

7) “Letra de médico” tem jeito?
Claro que tem jeito.Há anos venho atendendo a vários profissionais que se dispõem a corrigir a sua incoordenação motora com vista a uma letra legível, deixando para trás a “letra de médico”.

8) Atualmente os alunos completam livros e trabalhos de casa já impressos. As cópias fazem faltam?
Antes da utilização da cópia, temos que observar tudo o que já foi explicado anteriormente. Uma vez estando a pessoa coordenada a cópia vem coroar o término do processo e é válida.

9) Como os pais e professores podem ajudar?
Tanto os pais, como os professores devem conhecer a necessidade de uma avaliação, com vistas a um Diagnóstico Diferencial, e também ao tratamento necessário para cada caso de Disgrafia.

10) O movimento das letras é importante?
É importante para dar agilidade na escrita, principalmente na letra cursiva, quando o lápis e /ou caneta só devem “levantar-se” do papel para completar traços e pontos.

11) Em que consiste o seu Método para o tratamento da DISGRAFIA?
Consiste em primeiro lugar fazer uma avaliação correta do Disgráfico que é feita a luz dos exames solicitados.
Como em Dislexia, há Disgrafia de origens diferentes: neurológica, oftalmológica, e /ou audiológica.
A verdadeira Disgrafia não apresenta grandes problemas na visão, na audição e /ou no sistema nervoso.
Ela se apresenta como uma leve incoordenação motora dando uma letra que é lida com uma certa dificuldade quando numa palavra escrita.
Quando a incoordenação é mais severa temos que pesquisar melhor o caso pois apresenta uma letra ilegível.

12) Poderia nos dar alguns conselhos para evitar a DISGRAFIA?
Todos os pais devem ser alertados desde o nascimento do seu filho, quanto a evolução da criança em todas as suas fases, desde o amamentar com a postura correta, seguindo-se da evolução motora do rolar, rastejar, ficar de quatro, sentar, engatinhar, ficar de pé, correr, pular nos dois pés, num pé só, etc...
Este conhecimento trará benefício à criança que terá um trabalho preventivo para que a Disgrafia não se instale.

13) Suas considerações sobre o professor.
Chegamos ao 13, número da sorte. Não poderia deixar de chamar atenção para o tipo de professora que o Disgrafo tem, como é sua letra no quadro, no caderno etc...
Geralmente o aluno tem grande tendência a imitar o professor. Eu chego a pensar que os trabalhos impressos em “script”, acontece porque, salvo exceções, há dificuldade do professor no uso da sua escrita.


Abigail Caraciki
Fonoaudióloga
Postar um comentário