domingo, outubro 23, 2011

ESTRATÉGIAS DE ENSINO



Muitos professores vivenciaram, na condição de alunos, dinâmicas de aulas em que o ensino se resumia à apresentação, seguida de explicação de conteúdos, algumas vezes, “soltos”. A transmissão imperava. Hoje se sabe que, além da construção de conhecimentos, o ensino “[...] contém, em si, duas dimensões: uma utilização intencional e uma de resultado, ou seja, a  intenção de ensinar e a efetivação dessa meta pretendida.” (ANASTASIOU; ALVES, 2004, p. 13).

O trabalho docente, então, não se reduz ao ensino e requer a avaliação constante de um  processo que envolve um conjunto de pessoas na construção de conhecimentos e saberes. Nessa direção, devem ser propostas ações que desafiem o aluno e que possibilitem o desenvolvimento de suas operações mentais.

A condução de uma aula ou a aplicação de uma dinâmica será sempre útil desde que envolva reflexão e sentimento. A criticidade, a historicidade e a contextualização dos temas trabalhados devem estar sempre incluídas nas aulas. A sensação de pertencimento à turma é outra  condição necessária para que a aula aconteça; a participação do grupo é imprescindível.

A seleção das estratégias e da metodologia de ensino a ser utilizada está diretamente relacionada ao Projeto Político-Institucional (PPI) e ao Projeto Pedagógico de Curso (PPC). Nesse contexto relacional, o professor direciona, organiza, operacionaliza e insere as estruturas de ensino e de aprendizagem.

É fundamental lembrar que o ensino com pesquisa deve estar presente sempre. O aluno universitário deve ser desafiado como investigador, deve assumir responsabilidades, adquirir autonomia e desenvolver a disciplina. Em sua formação profissional inicial, deve construir projetos: definir problemas de pesquisa, selecionar dados e procedimentos de investigação analisar, interpretar e validar suas suposições, apresentar resultados e recomendações.

Procuram-se pontuar algumas estratégias capazes de acrescentar elementos que auxiliem o professor na organização da sua atuação docente: estudo de texto, solução de problemas, seminário, dramatização, simpósio e oficina (workshop).

6.1 ESTUDO DE TEXTO
Um texto pode ser utilizado para buscar informações novas, explorar ideias, fazer análises ou elaborar novos conhecimentos. Trata-se, basicamente, da exploração das idéias de um autor a partir de um estudo crítico. O acompanhamento do professor é condição especial para a utilização dessa estratégia, pois, muitas vezes, as habilidades de leitura e interpretação ainda se encontram pouco desenvolvidas nos alunos. Para Anastasiou e Alves (2004, p. 80), “[...] devem se tornar objeto de trabalho sistemático na universidade para todas as áreas de formação.”

6.2 SOLUÇÃO DE PROBLEMAS
Trata-se da apresentação de um problema em sala, capaz de mobilizar o aluno para a busca de soluções. O problema deve levar em conta o enfrentamento de uma situação nova para o aluno, que, a partir de dados expressos na descrição desse problema, deve resolvê-lo aplicando leis ou princípios que estão sendo discutidos como objeto de estudo. Permite verificar o levantamento de hipóteses, a análise de dados, a criticidade, a reflexão, a criatividade e a totalidade de diferentes contextos.

6.3 SEMINÁRIO
É um espaço para semear ideias. Trata-se da apresentação de um tema resultante de um trabalho de pesquisa sobre determinado conteúdo. É preciso organizar um calendário para as apresentações e espaço físico, bem como orientar os alunos durante o processo para que tenham domínio e coerência no momento da socialização. O que garante o sucesso desta estratégia de ensino e de aprendizagem é a sua preparação. Os alunos precisam ter clareza dos estudos a serem feitos e dos papéis a serem desempenhados em um seminário, pois é o momento de apresentar sínteses integradoras.

6.4 DRAMATIZAÇÃO
É uma representação e atende a várias finalidades: incita a capacidade de os alunos se colocarem no papel de um “outro”; desenvolve a criatividade e a imaginação; possibilita interação e liberdade de expressão; confronta pontos de vista; e estimula o pensamento. Deve conter idéias, conceitos e argumentos relacionados a um objeto de estudo ou a uma situação. Pode ser planejada ou espontânea.

6.5 SIMPÓSIO
Possibilita a ampliação de conhecimentos, a visão de múltiplos olhares e escutas diferenciadas. Tem efeito multiplicador, pois trata de reunir palestras e preleções breves, apresentadas por várias pessoas sobre diversos aspectos de um mesmo assunto. Um
mesmo conteúdo é dividido em unidades significativas, e cabe ao professor a indicação de bibliografias a serem consultadas, evitando repetições. É preciso levar em conta a logicidade dos argumentos, a pertinência das questões, o estabelecimento de relações e os conhecimentos relacionados ao tema.

6.6 OFICINA (WORKSHOP)
Favorece a aprendizagem de um ofício, implica aplicação, processamento de dados e de conceitos já adquiridos. Na oficina, a experiência de cada um é muito importante para a construção de um novo fazer. Trata-se da reunião de um grupo com interesses
comuns, que aprofunda um tema sob a orientação do professor. A organização e o planejamento são condições para que a oficina aconteça. Pode conter dinâmicas diferenciadas, como: palestras, atividades práticas, dinâmicas recreativas, saídas a campo, relato de pesquisas e de experiências, vivência de sentimentos, releituras de músicas, vídeos, poesias, etc. Além das estratégias citadas, outras poderão se fazer presentes no dia a dia de sala de aula. Os jogos e os portfólios são exemplos de estratégias que também podem ser utilizadas.

www.grupouniasselvi.com.br
Postar um comentário