segunda-feira, julho 18, 2011

Avaliação da Escrita:

Prova 1 - Discriminação fonética

De posse do protocolo que está anexado, a terapeuta explica à criança que vai falar uma seqüência de sílabas, as quais deverão ser escritas sobre os traços da coluna à esquerda, uma sílaba em cada espaço.

Ditar:  pa ta ca ba da ga  cha sa ja zafa va

la lha

ma na nha

ra "ara"

Prova 2 - Análise de sucessão de sons - protopalavras:

A criança deverá escrever as protopalavras ditadas pela terapeuta, após tê-las repetido verbalmente, ou seja, a terapeuta fala a protopalavra, a criança a repete, e depois escreve, seguindo as colunas da prova, no protocolo, na seguinte ordem:

1ª coluna: dissílabos; 2ª coluna: trissílabos; 3ª coluna: polissílabos.

mouco ricapé otrudiré

bartim nuronli acoutebo

linou sizado drabadupo

fanve ierói pranchuhonti

sigo roguchi protadigu

Nos quadrinhos à esquerda de cada coluna, a terapeuta marca os erros ou acertos, colocando uma + ou um 0 em cada espaço correspondente à cada sílaba.

Prova 3 - Memória auditiva de frases:

A terapeuta explica à criança que vai ditar algumas frases, as quais ela deverá ouvir atentamente, repetir em voz alta e só depois escreve-las nas linhas disponíveis no protocolo.

Ditar:

Ele fez tudo preto.

Eu perdi minha bicicleta.

Papai achou um jornal no bosque.

Mamãe deixou o guarda chuva no jardim.

Eu gostaria muito de sentar na grama fresca.

Na avaliação, observar se a criança começa a frase com letra maiúscula, se dá espaço entre as palavras, se faz pontuação.

Marcar os erros ortográficos, verificando se eles comprometem o sentido das frases. Observar se a criança
omite palavras na frase.

Prova 4 - Ditado:

A terapeuta explica à criança que vai ditar uma série de palavras, as quais ela vai ouvir e não precisa repetir em voz alta, basta escrevê-las na frente dos numerais em seqüência, no espaço do protocolo destinado a esta prova.

Ditar:

bebedouro poder atlas

quando quando xícara

problema qual cheque

qual palhaço enxoval

coqueluche juventude azedo

quinze urubu fazenda

rato mangueira conhecimento

duvidoso carro ânimo

fino recruta

guaraná selva

anjo sapateado

mão tabuleta

Prova 5 - Evocação:

A terapeuta explica à criança que vai lhe mostrar umas figuras. Não vai lhe dizer os nomes das figuras, mas ela deverá olhar a escrevê-los diante dos numerais desta parte do protocolo.

Figuras anexas na pasta em apresentação de power point.

1 - avião 16 - rosa 31 - círculo

2 - pato 17 - árvore 32 - quadrado

3 - elefante 18 - açucar 33 - retângulo

4 - flor 19 - cenoura

5 - banana 20 - sapato

6 - gato 21 - sapo

7 - casaco 22 - abacaxi

8 - coelho 23 - espantalho

9 - borboleta 24 - chapéu

10 - cavalo 25 - pão

11 - cachorro 26 - laranja

12 - girafa 27 - pasta

13 - moedas 28 - uva

14 - geladeira 29 - cofre

15 - maçã 30 - triângulo

Prova 6- Organização do Pensamento:

A criança deverá observar a figura mostrada pelo terapeuta, que solicita a ela que descreva o que está vendo, primeiro verbalmente e depois, por escrito. Pedir para dar um nome à história.

Na avaliação, observar:

se a linguagem tem relação com a figura;

se há enumeração de elementos de forma estática ou dinâmica;

personagem central: quem é, onde está, que ação executa;

orientação temporal

enriquecimento do personagem: se a ele são atribuídas qualidades ou defeitos;

personagens secundários descritos de maneira objetiva ou não;

 personagens secundários em relação ao tema;

 aspectos projetivos.

Avaliação

Este instrumento é de avaliação qualitativo. O psicopedagogo deverá estar atento durante todo o tempo de aplicação das provas, observando a postura no manejo do lápis, a postura corporal, agitação motora, nível de cansaço ou desinteresse.

Além disso, deverá observar os aspectos relacionados com hipertonia ou hipotonia muscular, expressos por meio de uma letra muito clara ou muito escura.

O movimento da escrita, da esquerda para a direita, o movimento correto das letras, o fato de a criança escrever a palavra inteira para depois colocar os sinais específicos(til, acentos, cedilha etc).

Não é importante o tipo de letra usado pela criança (cursiva, de imprensa, bastão etc). Porém, se ela perguntar que tipo de letra deve usar, deve-se sugerir a cursiva.

É importante observar se ela mantém o mesmo tipo de letra durante toda a avaliação ou se o modifica.

Anotar as trocas fonéticas, casos existam e as dificuldades ortográficas que apareçam e que possam ser indícios de disgrafia ou disortografia.

Fonte: www.psicopedagogavaleria.com.br
Postar um comentário