segunda-feira, julho 14, 2014

Altas Habilidades


Por Carine Bosqueiro

1) O que é?

“Indivíduo que apresenta uma ou mais áreas de habilidades ou talento, com traços consistentemente superiores em relação a uma média, em qualquer campo do saber ou do fazer(Ministério Da Educação).”

“Pessoa que apresenta grande facilidade de aprendizagem que os leve a dominar rapidamente conceitos, procedimentos e atitudes (CNE/CEB Nº2/2001).”

Os resultados dessas investigações têm comprovado que os indivíduos dotados são biologicamente diferentes: sua estrutura cerebral dispõe de maior número de células gliais(proporcionam suporte e nutrição aos neurônios) e conexões sinápticas(conexões entre os neurônios), resultado da interação favorável entre padrões genéticos e oportunidades proporcionadas pelo meio.


2) Quando a pessoa pode ser caracterizada como A.H.?

 Caracterização na EDUCAÇÃO INFANTIL:

• Aprende depressa e se lembra facilmente;
• Parece amadurecido para a idade;
• Apresenta grande vocabulário;
• Lê e compreende com facilidade;
• Experimenta para resolver problemas;
• Prefere brincar com crianças mais velhas;
• Apresenta grande sensibilidade;
• Exibe curiosidade intelectual;
• Mostra compaixão com animais e pessoas;
• Aprecia quebra-cabeça, jogos de montar, labirintos e
• números
• Questiona autoridade;
• Parece ficar chateada com facilidade;
• Tem alto nível de energia;
• Mostra talento em música, artes, dramatização, ou dança;
• Exibe senso de humor;
• Coleciona e organiza pedras, insetos e outras coisas.

 Caracterização – Criança e Adolescente:

• Alto grau de curiosidade;
• Boa memória;
• Atenção concentrada;
• Persistência;
• Independência e autonomia;
• Interesse por áreas e tópicos diversos;
• Facilidade de aprendizagem;
• Criatividade e imaginação;
• Iniciativa e liderança;
• Vocabulário avançado para a idade cronológica;
• Riqueza de expressão verbal;
• Facilidade para interagir com crianças mais velhas ou adultos;
• Habilidades para lidar com idéias abstratas;
• Interesse por livros e outras fontes de conhecimento;
• Alto nível de energia;
• Preferência por situações/objetos novos;
• Senso de humor;
• Originalidade para resolver problemas;
• Reagem positivamente a elementos novos, estranhos e misteriosos;
• Curiosos, fazem muitas perguntas, gostam de investigar;
• Persistem em examinar e explorar estímulos com o objetivo de conhecer melhor a respeito deles;
• São independentes, individualistas e auto-suficientes;
• Relacionam informações e conhecimentos;
• Têm sempre muitas idéias;
• Preferem idéias complexas; irritam-se com a rotina.
• Podem ocupar seu tempo de forma produtiva, sem ser necessária uma estimulação constante do professor.


3) Para que identificar e estimular uma pessoa com A.H. ?


Embora em nossos meios maior atenção seja dada à inclusão e desenvolvimento dos alunos com dificuldades e deficiências, os alunos mais capazes e talentosos precisam também receber atenção especial para que não sejam levados a tornarem-se médios, abaixando suas expectativas e nível de produção.

A falta de atendimento causa desânimo, frustração e em alguns casos, até desistência.


4) Quem são os profissionais que diagnosticam a A.H.?

O professor é um profissional apto para identificar seus alunos com altas habilidades.


5) Onde podemos encaminhar um indivíduo com A.H.?

Nas escolas estaduais podemos contar com o apoio do CAPE – Centro de Apoio Pedagógico Especializado(http://cape.edunet.sp.gov.br/cape_arquivos/altashabilidades.asp). Em outros casos, a pessoa poderá ser encaminha para um psicopedagogo especialista ou para o APAHSD – Associação Paulista para Altas Habilidades Superdotação(http://www.apahsd.org.br/novo/index.php) e ComBradSD - Conselho Brasileiro para Supoerdotação(http://www.conbrasd.org/index.php?pg=capa.php&tipo=2#MG).

6) Porque estimular uma pessoa com A.H.?

É um engano pensarmos que crianças dotadas tem recursos suficientes para desenvolverem sozinhos suas habilidades. A realidade é que necessitam de uma variedade de experiências de aprendizagem enriquecedoras que estimulem o desenvolvimento do seu potencial.

A estimulação pode incentivar o crescimento das ramificações dos dendritos, a complexidade nas conexões entre os neurônios e a formação de mais células gliais.
As pesquisas mostraram que a estrutura cerebral presente no nascimento se degenerará, desaparecerá se não houver estimulação.
O potencial maior da criança dotada geralmente fica perdido, pois se não há estímulo adequado, o potencial irá se “acomodar” e se igualar à média.

7) O que identificar para selecionar crianças superdotadas?

Indicadores gerais para seleção de crianças superdotadas segundo Dra. Florence Brumbaugh:

 anda e fala mais cedo que a maioria das crianças de sua idade e sexo (gênero);
 tem mais energia e vigor que outras crianças de sua idade e sexo (gênero);
 tem interesse precoce por palavras e números;
 tem vocabulário extenso para a sua idade;
 expressa curiosidade por muitas coisas;
 tem boa memória;
 tem capacidade incomum de raciocínio;
 tem capacidade incomum de planejar e organizar;
 relaciona informações recebidas no passado com os novos conhecimentos adquiridos;
 tende a associar-se a crianças mais velhas do que ela;
 age como líder entre as crianças de sua idade;
 sensibilidade emociona: sentimento de desafio diante da imprecisão e da desordem; preferência para lidar com abstrações; necessidade de independência e autonomia em suas ações; resistência à pressão para o conformismo; apreciação de qualidades estéticas;
 auto-imagem precisa: facilidade para recordações precoces, mesmo que desagradáveis, senso de humor; variabilidade de atitudes, entremeando atitudes adultas com reações impulsivas e imaturas; tendência para respostas imaginativas e emocionais; maior independência do meio ambiente;
 no trabalho escolar: demonstração de muitas idéias inesperadas; presença de idéias originais e extravagantes; auto-aceitação sem medo do ridículo;expressão livre de seus sentimentos; percepção do desconhecido como um desafio; abertura à experiência como um todo; maior tolerância à ambiguidade; maior tendência a julgar com base em valores pessoais internos; ausência de rigidez
 demonstra mais interesse por esforços criadores e por novas atividades do que por tarefas repetitivas e rotineiras;
 concentra-se em uma única atividade durante um período prolongado sem se aborrecer;
 tem inúmeros interesses que a mantém ocupada;
 persiste em seus esforços em face das dificuldades inesperadas;
 cria suas próprias soluções para problemas e exibe um “senso comum” pouco usual;
 tem senso de humor avançado para a idade;
 exibe sensibilidade em relação aos sentimentos dos outros;
 tem interesse por várias atividades, como desenhar, cantar, dançar, escrever, tocar instrumento musical;
 constrói histórias vívidas e dramáticas ou relata sua experiência com grande quantidade de detalhes.



1) Como atender um A.H.?

 Na escola seguir:

• O processo pedagógico;

• Fazer acordo com membros da escola (direção, coordenação, professores, PPP);

• Aplicação do instrumental de alta habilidades(questionário e outros);

• Levantamento das informações do questionário;

• Classificação dos domínios de capacidade dos alunos;

• Devolutiva das informações para os envolvidos no processo;

• Observação assistida;

• Plano individual do aluno;

• Planejamento das atividades.


 Na escola o atendimento poderá ocorrer:

• Dentro da sala de aula;

• No contra turno, em salas de recurso ou programa específico;

• Deverá ser feita a diferenciação e compactação de Currículo como segue abaixo:

 O professor deve diferenciar o currículo para que os alunos mais capazes não percam o gosto pela escola.

 O professor pode utilizar recursos como aceleração de série, projetos independentes, cursos avançados, oportunidades de enriquecimento escolar, compactação de currículo e outras formas de acompanhamento para manter a criança estimulada e desafiada em sala de aula.

 Permite que alunos com habilidades intelectuais superiores prossigam mais rapidamente com o conteúdo já dominado, eliminando a rotina de passar por exercícios repetitivos desnecessariamente.

 A compactação do currículo torna mais desafiador o ambiente de aprendizagem, dando ao aluno oportunidade de aproveitar melhor seu tempo para o desenvolvimento de atividades de enriquecimento e abrindo espaço para a aceleração escolar (Reis, Burns & Renzulli, 1992; Starko, 1986; apud Virgolim, 2007).

 Dois procedimentos são essenciais para a compactação do currículo:

(1) um cuidadoso diagnóstico da situação;
(2) completo conhecimento do conteúdo e dos objetivos da unidade de instrução.

 O professor deve identificar a área do currículo que o aluno já dominou e suas áreas fortes, geralmente observadas quando o aluno termina rapidamente uma tarefa com pouco ou com nenhum erro, e quando demonstra insatisfação, tédio ou desânimo com o ensino, desperdiçando o seu tempo em sala de aula para sonhar acordado ou fazer bagunça. Em seguida, o professor deve aplicar atividades ou pré-testes para assegurar se o aluno tem completo domínio do tema ou conteúdo, e se atende aos objetivos daquela unidade. Na maioria dos casos, as provas e avaliações utilizadas ao término do bimestre ou semestre servem como pré-teste.

 Uma vez documentada a área em que o aluno já domina, o professor indica as atividades que podem ser eliminadas do currículo ou aceleradas para se adaptar ao ritmo próprio do aluno.

 E, por fim, o professor explora as diversas formas de aceleração ou enriquecimento que ele poderia providenciar ainda na sala de aula regular.

o Por exemplo, se várias unidades curriculares de matemática foram compactadas, o professor deve decidir se o aluno pode ser acelerado para outra série ou se poderá ser beneficiado por um aprofundamento do conteúdo na matéria, ou mesmo se deve dedicar o tempo extra a outra disciplina ou tópico de interesse.

- Fora da escola o atendimento poderá ocorrer:

• Centros de desenvolvimento de Talentos;

• Aceleração: tem como objetivo principal reorganizar o tempo escolar, no sentido de compatibilizar o ritmo de produção de algumas crianças e jovens mais capazes, com a temporalidade escolar para completar as etapas e níveis escolares- idêntica para todos, baseada em médias e previsões administrativas.

Modalidades de aceleração:

• Entrada mais cedo ao nível seguinte de escolaridade. Ex:
Do Jardim para o Fundamental ou no Nível Básico seguinte, ou do Ensino Médio para o nível superior.

• Saltar séries escolares em qualquer nível.

• Frequentar séries mais adiantadas, em algumas disciplinas.

• Agrupamento vertical com variedade de idades e séries para determinados assuntos e/ou para certas disciplinas.

• Cursos fora da escola, em áreas ou disciplinas escolares específicas.

• Estudos simultâneos em dois níveis – Fundamental e Médio;
Médio e Superior.

• Estudos compactados – para complementação escolar em menor tempo.

• Planos de Estudo Independente para expansão de conteúdo curricular.

• Estudos avançados com mentores versando sobre conteúdo relacionado ao currículo.

• Cursos paralelos para avançar currículo: cursos por correspondência, cursos ou disciplinas televisionados, estudo a distancia.


Referências:


BENATI, Alessandra Cândido. Altas Habilidades/Superdotação. Limeira, Diretoria de Ensino, 2010 (Comunicação Oral).

BENATI, Alessandra Cândido. Altas Habilidades/Superdotação. Limeira: Curso Oferecido pela Diretoria de Ensino, 2010. Power Point.
Postar um comentário