quinta-feira, maio 19, 2011

Parentalidade



Quando falamos em parentalidade, estamos falando no que foi transmitido por avós paternos e maternos aos pais e que chegarão carregados de suas histórias aos filhos.
Portanto a dificuldade das crianças é a dificuldade da família, um sintoma é sempre um sintoma familiar.
Falando das crianças que vocês atendem estamos diante de famílias com maior vulnerabilidade e fragilidade. Lembrando que “todas” as famílias apresentam em sua dinâmica fragilidade e vulnerabilidade em diferentes graus, temos que perceber que nas relações com estas famílias estão atravessadas também nossas angústias, ansiedades e conflitos.
Parentalidade é o processo psicológico que torna um sujeito pai e mãe.
O conceito de parentalidade passa por três eixos:
- Biológico (Genético)
- Jurídico (Legislação)
- Processo psicológico (afetivo emocional)
E de onde vem este conceito de parentalidade?
A mídia vende uma imagem de pai e mãe que efetivamente não acontece na realidade. Daí que a depressão pós - parto, atualmente, seja um problema de saúde pública. Não é unicamente hormonal, há causa afetiva, uma discrepância em relação àquilo que a sociedade exige e o que a mãe consegue fazer.
Outro ponto fundamental é que se decide ser mãe e pai por um desejo um narcisista de continuidade, de querer que o filho realize nossos ideais. Para que sejamos pais de qualidade razoável (e é o que basta) é preciso sair desse desejo ultra narcisista e egoísta para nos tornarmos altruístas, alcançar o amor incondicional.
Vincular ao outro (filho) como o outro é, não como eu quero e preciso que seja. Fazer luto do filho ideal e acolher o filho real é o processo de cura da ferida narcísica.
Os pais que têm filhos fora do padrão esperado em uma sociedade que ainda preza valores gregos terão muita dificuldade em cicatrizar esta ferida. Porque seus filhos entram em uma classificação, recebem um diagnóstico (CID) que demarca uma patologia. São considerados anormais.
Alguns pais levam muito tempo para elaborar este luto e outros podem não conseguir fazê-lo. Nestes casos temos que contar com a criança e deixar a família seguir seu processo.
A escola, que atende crianças com autismo, deve ser um lugar de acolher o avesso, o contraditório, a dita loucura, porque muitas crianças precisam desse espaço onde possam se desorganizar, para que em outros ambientes possam estar organizados.
É fundamental perceber que a diferença do aluno é a diferença da família, e que esta simultaneamente deseja a melhora do seu filho e também a manutenção da doença que lhe dá segurança, base.
Algumas vezes nosso papel (educador, terapeuta) passa por aceitar um não reconhecimento pelo nosso trabalho, porque para a família, quando damos conta da melhora do seu filho, marcamos seu fracasso na relação com essa criança. Temos que suportar esse lugar para que o trabalho possa evoluir.e nos tornanrmos parceiros dessa família.
E sem dúvida elogiar a família é uma saída saudável na relação escola e família.
Finalizando, a capacidade de narrar, contar, além de dar conta das necessidades básicas é a função mais rica da parentalidade.
Para que uma criança não psicotize é preciso que a criança tenha acesso as suas origens, sua história. Há por trás de toda psicose uma dúvida quanto a sua origem.
Se desejarmos ser pais de razoável qualidade, narrar nossa própria história é exterminar com os nossos fantasmas também.
Todos somos doentes e saudáveis e o conceito de saúde mental está longe de não estar doente. Tem a ver com estar melhorando, evoluindo, tendo como referência a vida de cada um e não vida do outro.

Por: Celso Gutfreind

Postar um comentário